As famílias acreditam que a educação se delega e se compra

Vivemos uma era de convergência, multidisciplinaridade e interdisciplinaridade, que em contexto global redefine conteúdos e métodos de ensino e aprendizagem. Claro que a tecnologia deve estar a serviço da educação, mas esta não pode ser refém da tecnologia. É prioritário rever a relação professor-aluno e resgatar o prazer de aprender e ensinar – base da boa educação.

As famílias não podem continuar acreditando que educação se delega e se compra. Educação se constrói com centenas de mãos e exemplos, processos e interacções. Por que permitir que a sociedade queira transformar escolas que devem preparar para a vida em reformatórios de vidas já deformadas à priori por equívocos não oriundos da escola?

A educação é a verdadeira responsabilidade social. Nenhuma outra haverá, de forma autêntica, na sua ausência.

É necessário resgatar o papel e a auto-estima dos mestres, conferindo a eles uma autonomia pedagógica responsável para que voltem a orientar as pessoas preparando-as para a vida e não para provas de eficácia contestável, com efeitos no curto prazo e distorções a médio e longo prazos.

In “Uma revolução na educação

Etiquetas:

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: