Posts Tagged ‘prazer trabalhar’

Trabalhar e divertir-se, a escolha é sua

26 Agosto, 2012
Anúncios

A sabedoria da vida está em gostar daquilo que se faz

17 Julho, 2012

O mito do amor ao trabalho dos Alemães é falso

26 Agosto, 2011

Vivi na Alemanha muitos anos e pude constatar que o mito do amor ao trabalho dos Alemães é falso. Não gostam de trabalhar, mas sabem que é preciso. Por isso, fazem-no o mais eficientemente possível. Durante o trabalho, os alemães não conversam sobre futebol nem as alemãs falam de meninos, como aqui. E fora dele é tabu falar sobre isso. Ao contrário de Portugal, onde se passa o almoço a falar do trabalho, uma paranóia perfeita.

In Sem coluna vertebral, Alberto Pimenta

Sonhe mais, trabalhe menos

16 Fevereiro, 2010

Sem Paixão não há Solução

4 Outubro, 2006

Apesar da sua juventude, é consensual a opinião de que o Cristiano Ronaldo tem pela frente uma grande carreira no futebol mundial. É do conhecimento público que começou nos infantis do Clube Andorinha, foi para o Sporting onde se formou como jogador e começou a atrair a atenção dos grandes clubes europeus, acabando por se transferir para o Manchester United, onde rapidamente se afirmou como jogador.

Nesta curta história, qual foi segredo para o sucesso? O que fez Cristiano Ronaldo para ser já uma das referências do futebol mundial? Sem dúvida que o seu inegável talento teve um papel muito importante, mas o segredo reside, sem qualquer dúvida, na sua enorme paixão pelo futebol.

Foi essa paixão que o levou a rumar a Lisboa, enfrentando um mundo estranho e desconhecido, sem a proximidade da família e dos amigos, o que demonstra cabalmente a sua vontade de vir a ser um grande jogador.

O percurso não foi fácil, como o próprio já o confessou. Por várias vezes pensou em desistir, dadas as dificuldades que teve de enfrentar na sua adaptação. Mas, a sua persistência levou-o a prosseguir e a vencer os obstáculos que surgiram nos primeiros anos.

No entanto, esta faceta pouco cor-de-rosa não tem qualquer interesse para a maioria dos seus admiradores. Estes, nomeadamente os mais jovens, alimentam o sonho de um dia virem a ter o sucesso do Cristiano Ronaldo, pensando somente no seu prestígio actual e esquecendo os sacrifícios do passado.

Mas, sonhar é fácil. Pelo contrário, ganhar os títulos mais ambicionados como o de campeão europeu ou intercontinental, campeão das Taças UEFA, campeão nacional, ser eleito o melhor jogador nacional, europeu ou mundial, e jogar nos melhores clubes do mundo dá muito trabalho.

Em poucas palavras, a lição a tirar do sucesso de Cristiano Ronaldo é simples: sem paixão por aquilo que fazemos, não há milagres. Por detrás do êxito dos grandes jogadores de futebol estão anos de muita preparação, de sacrifícios e de luta contra as adversidades, como acontece com as lesões. Para construir uma grande carreira no futebol, como em qualquer outra actividade, é preciso ser um lutador.

Mas, será que isto só acontece com os grandes jogadores? Não, o mesmo se passa com os actores de sucesso da televisão portuguesa, onde a competição entre actores é também bastante elevada. Um exemplo é a actriz Luciana Abreu, a Floribela, que numa entrevista confessou ter “comido o pão que o diabo amassou” até conseguir chegar ao estrelato. Foram muitos castings sem resultado, muito esforço mal recompensado, muitas portas que se fecharam e, por vezes, algumas injustiças.

Dito isto, talvez os milhões de admiradores do Cristiano Ronaldo e da Luciana Abreu comecem a pensar duas vezes no sonho de seguirem os passos dos seus ídolos. De facto, só mesmo com paixão se podem abraçar carreiras tão incertas e, por vezes, tão ingratas. Que o digam os jogadores com lesões que os obrigam a “ficar no estaleiro”, e os actores de inegável talento que passam meses a fio sem trabalho.

Se compararmos esta atitude, dos jovens jogadores e actores com ambição de vencer, com os resultados de um estudo recente que refere que o sonho dos jovens portugueses é obter um emprego seguro, ou seja sem termo, temos uma ideia clara da dimensão do desafio a vencer.

O conceito de emprego seguro está em extinção com o consequente aumento do trabalho precário, como acontece com um actor que é contratado para uma telenovela, ou de um jogador que é contratado por uma ou duas épocas?

Do mesmo modo, o conceito de carreira regulamentada com várias categorias e escalões, com promoções e progressões, e tabelas salariais tende a desaparecer, o que já é uma realidade para os actores e jogadores. Em vez de contratos para a vida, há precaridade de emprego. Em vez de promoções e aumentos salariais automáticos, há reconhecimento do mérito e prémios de desempenho.

Embora lentamente, o conceito de carreira está ser substituído pelo conceito de percurso profissional, em que as relações laborais são mais flexíveis e pouco regulamentadas. Neste contexto, os trabalhadores enfrentam um desafio muito exigente. Com o aumento da precaridade de emprego, a concorrência no mercado de trabalho aumenta pelo que estes terão de saber construir o seu percurso profissional.

E, neste caso, será que sem paixão há solução?

“Há uma força motriz mais poderosa que o vapor, a electricidade e a energia atómica: a vontade” Albert Einstein